21/07/15

POEMA DAS MÃES



                        ( Eu e mamãe em Indiaporã SP)



http://www.recantodasletras.com.br/poesias/1581730
 

Mãe! hoje eu volto a te ver na antiga sala
onde uma noite te deixei sem fala
dizendo adeus como quem vai morrer.
E me viste sumir pela neblina,
porque a sina das mães é esta sina:
amar, cuidar, criar e depois perder.
Perder o filho é como achar a morte.
Perder o filho quando, grande e forte,
já podia ampará-la e compensá-la.
Mas nesse instante uma mulher bonita,
sorrindo, o rouba, e a velha mãe aflita
ainda se volta para abençoá-la.

Assim parti, e nos abençoaste.
Fui esquecer o bem que me ensinaste,
fui para o mundo me deseducar.
E tu ficaste num silêncio frio,
olhando o leito que eu deixei vazio,
cantando uma cantiga de ninar.

Hoje volto coberto de poeira
e te encontro quietinha na cadeira,
a cabeça pendida sobre o peito.
Quero beijar-te a fronte, e não me atrevo.
Quero acordar-te, mas não sei se devo,
não sinto que me caiba este direito.

O direito de dar-te este desgosto,
de te mostrar nas rugas do meu rosto
toda a miséria que me aconteceu.
E quando vires e expressão horrível
da minha máscara irreconhecível,
minha voz rouca murmurar:''Sou eu!"

Eu bebi na taberna dos cretinos,
eu brandi o punhal dos assassinos,
eu andei pelo braço dos canalhas.
Eu fui jogral em todas as comédias,
eu fui vilão em todas as tragédias,
eu fui covarde em todas as batalhas.

Eu te esqueci: as mães são esquecidas.
Vivi a vida, vivi muitas vidas,
e só agora, quando chego ao fim,
traído pela última esperança,
e só agora quando a dor me alcança
lembro quem nunca se esqueceu de mim.

Não! Eu devo voltar, ser esquecido.
Mas que foi? De repente ouço um ruído;
a cadeira rangeu; é tarde agora!
Minha mãe se levanta abrindo os braços
e, me envolvendo num milhão de abraços,
rendendo graças, diz:
"Meu filho!", e chora.

E chora e treme como fala e ri,
e parece que Deus entrou aqui,
em vez de o último dos condenados.
E o seu pranto rolando em minha face
quase é como se o Céu me perdoasse,
me limpasse de todos os pecados.

Mãe! Nos teus braços eu me transfiguro.
Lembro que fui criança, que fui puro.
Sim, tenho mãe! E esta ventura é tanta
que eu compreendo o que significa:
o filho é pobre, mas a mãe é rica!
O filho é homem, mas a mãe é santa!

Santa que eu fiz envelhecer sofrendo,
mas que me beija como agradecendo
toda a dor que por mim lhe foi causada.
Dos mundos onde andei nada te trouxe,
mas tu me olhas num olhar tão doce
que , nada tendo, não te falta nada.

Dia das Mães! É o dia da bondade
maior que todo o mal da humanidade
purificada num amor fecundo.
Por mais que o homem seja um mesquinho,
enquanto a Mãe cantar junto a um bercinho
cantará a esperança para o mundo!
                                          Giuseppe Ghiaroni


 

16/07/15

Café Ovo ou Cenoura - Adversidades





Carpe Diem" quer dizer "colha o dia". Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. A vida não pode ser economizada para amanhã.” (Rubem Alves)

ADVERSIDADES.


Ela era uma garota que vivia a se queixar da vida. Tudo lhe parecia difícil e se dizia cansada de lutar e combater. Seu pai, que era um excelente cozinheiro, a convidou, certo dia, para uma experiência na cozinha. Tomou três panelas, encheu-as com água e colocou cenouras em uma, ovos em outra e pó de café na terceira. Deixou que tudo fervesse, sem nada dizer. A moça suspirou longamente, imaginando o que é que seu pai estava fazendo com toda aquela encenação. Depois de tudo fervido, o pai colocou as cenouras e os ovos em uma tigela e o café em outra.
- O que você está vendo? - perguntou.
- Cenouras, ovos e café - respondeu ela.
Ele a trouxe mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras. Ela notou como as cenouras estavam macias. Tomando um dos ovos, quebrou a casca e percebeu que estava duro. Provando um gole de café, a garota sentiu o sabor delicioso. Voltou-se para o pai, sorriu e indagou:
 - O que significa tudo isto, papai?
- É simples, minha filha. As cenouras, os ovos e o café ao enfrentarem a mesma adversidade, a água fervendo, reagiram de formas diferentes. A cenoura entrou na água firme e inflexível. Ao ser submetida à fervura, amoleceu e se tornou frágil. O ovo era frágil. A casca fina protegia o líquido interior. Com a água fervendo, se tornou duro. O pó de café, por sua vez, é incomparável. Colocado na água fervente, ele mudou a água.
Voltando-se então para a filha, perguntou-lhe:
- Como é você, minha filha? Quando a adversidade bate à sua porta, você reage como a cenoura, o ovo ou o café? Você é uma pessoa forte e decidida que, com a dor e as dificuldades, se torna frágil, vulnerável e sem forças? Ou você é como o ovo: delicada, maleável, casca fina, que se rompe com facilidade? Ao receber as notícias do desemprego, de uma falência, da morte de um ser querido, do divórcio, você se torna dura, inflexível? Quanto mais sofre, mais obstinada fica, mais amarga se torna, encerrada em si mesma? Ou você é como o café, que muda a água fervente, motivo da dor, para conseguir o máximo de seu sabor, a cem graus centígrados? Quanto mais quente a água, mais gostoso se torna o café, deliciando as pessoas com o seu aroma e sabor. Se você é como o pó de café, então, quando as coisas vão ficando piores, você se torna melhor e faz com que as coisas em torno de você também se tornem melhores.
E completou:
- A dor, em você, tem a possibilidade de torná-la mais doce, gentil, com mais capacidade de entender a dor alheia. Afinal de contas, minha filha, como é que você enfrenta a adversidade?


Como chama aqueles fios de cabelos que nascem nas orelhas?

Hipertricose auricular





04/03/15

A vida do homem




Baseado na fábula de Esopo

          Deus criou o homem e disse-lhe:
         ¾ Vai, serás o senhor da terra e o animal superior. Grandes trabalhos e surpresas te esperam, mas de tudo triunfarás, se fizeres a tua parte. A tua felicidade muito depende do teu querer. Viverás trinta anos.
         O homem ouviu e calou-se.
         Deus criou o burro e disse-lhe:
         ¾ Vais viver como escravo do homem, conduzir a ele com todos os fardos que te puser às costas. Serás bastante discreto e paciente para suportar, além de pesada carga, as privações que te forem impostas durante as viagens. Viverás cinqüenta anos.
O burro respondeu:
         ¾ Escravidão, cargas, privações, e viver cinquenta anos. É muito, Senhor, bastam-me trinta.
         Deus criou o cão e lhe disse:
         ¾ Vais ser o companheiro do homem, a quem guardarás, sempre alerta, à porta, servindo com inteira obediência, ainda que não recebas mais que um osso para matar a fome. Serás açoitado, passarás fome, mas humilde e fiel, tens que lamber a mão de quem te castiga. Viverás trinta anos.
         O cão pensou e refugou:
          ¾ Vigiar dia e noite, ser açoitado, padecer fome e viver trina anos. Não Senhor, quero apenas dez.
         Deus criou o macaco e disse-lhe:
         ¾ Vai, teu ofício é alegrar o homem. Saltando de galho em galho, procurarás, imitando-lhes os gestos, arremedando, fazendo caretas, aliviar-lhe a tristeza e entreter-lhe o humor. Viverás cinquenta anos.
         O macaco pestanejou e pediu:
         ¾ Senhor, é demasiado para tão ingrato destino ¾ bastam-me trinta anos.
         Tomando, então, a palavra, disse o homem:
          ¾ Vinte anos que o burro não quis, vinte que o cão enjeitou, vinte que o macaco recusa, dê-os a mim, Senhor, que trinta anos é muito pouco para o rei dos animais.
         ¾ Toma-os ¾ disse o criador. ¾ Viverás noventa anos, mas com uma condição ¾cumprirás em tua vida, não só o teu destino, mas também o do burro, o do cão, e o do macaco.
E assim vive o homem:
         Até os trinta, forte, corajoso, resistente, enfrenta os perigos e obstáculos. Luta bravamente; vence e domina. É homem.
 Dos trinta aos cinquenta, tem família, e trabalha sem repouso, para sustentá-la. Cria os filhos, afadiga-se por educá-los e garantir-lhes o futuro. Sobre ele se acumulam os encargos. É burro.
Dos cinqüenta aos setenta, está de sentinela à família.  Dedicado e dócil, seu dever é defendê-la, mas já não pode, contudo, fazer valer a sua vontade. Contrariado humilha-se e obedece. É cão.
Dos setenta aos noventa, sem forças, curvo, cansado e enrugado, vegeta num canto; é inútil e ridículo. Sabe que não o levam a sério, mas resigna-se e tem gosto em ser o palhaço das crianças. É macaco.

Questões sobre o texto:
1.Quais são os personagens da história?
2. Por que o homem quis os anos que os animais rejeitaram?
3. Escreva resumidamente os papéis:
a. do homem
b. do burro
c. do cão
d. do macaco
4.Segundo o texto, qual era o destino do homem  depois dos trinta anos?
5. Em que tempo e modo estão os verbos do texto? Justifique sua resposta.
6. Escreva um texto resumindo a história “A Vida do Homem”