04/01/2014

Dois velhinhos-Dalton Trevisan

Internauta
Após a leitura das postagens neste blog, por favor faça seus comentários abaixo, ficarei muito grato!



Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrado, anunciava o primeiro:

— Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

— Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

— Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia-se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante — era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

Texto extraído do livro "Mistérios de Curitiba", Editora Record — Rio de Janeiro, 1979, pág. 110.

Tudo sobre o autor em nossa página "Biografias".

No conto, a perspectiva do narrador que apresenta sua opinião sobre os fatos da narrativa e se posiciona diante do acorrido justifica-se pelo o uso de:
(a) 3ª pessoa, com narrador onisciente.
(b) 1ª pessoa, com narrador personagem.
(c) 3ª pessoa, com narrador observador.
(d)1ª pessoa, com narrador testemunha.



Postar um comentário