14/07/2013

Os protestos e a língua portuguesa

Em primeiro lugar, é preciso observar que o que se vê nas situações de espontaneidade é alíngua viva, com a sua gramática, que nem sempre coincide com a norma culta (de prestígio) do idioma. Não há como (nem por que) cobrar o emprego da variante culta no calor das manifestações.
Nos ambientes formais, porém, a história é outra. O repórter que disse que a polícia "interviu" cometeu um desvio do padrão culto que, aliás, está entre os mais comuns, inclusive entre pessoas escolarizadas. O que fez foi regularizar um verbo irregular. Como o passado de "partir" é "partiu", o de "cair" é "caiu", o de "construir" é "construiu", o "natural" seria que o de "intervir" fosse "interviu". Ocorre, entretanto, que "intervir" é derivado de um verbo irregular, o verbo "vir", cujo passado é "veio" – por esse motivo, o passado de "intervir" é "interveio".
É provável que concorra para a permanência da irregularidade o fato de que "viu" é o passado de outro verbo ("ver") – e, portanto, a terminação de passado dos seus derivados ("previu", "anteviu" etc.). Estabelece-se, assim, uma oposição: os derivados de "vir" têm o passado terminado em "-veio" (interveio, adveio, proveio) e os derivados de "ver", estes sim, têm o passado terminado em "-viu" (previu, anteviu, reviu).
E atenção: nem todos os verbos terminados em "-ver" são derivados de "ver". "Escrever", "descrever", "absorver" e muitos outros são verbos regulares (escreveu, descreveu, absorveuetc.).
Outra reclamação dos internautas foi o clamor de muitas vozes que, em uníssono, repetiam a palavra "conhecidência" em vez de "coincidência". Esse já não é um desvio tão comum entre as camadas mais escolarizadas. "Coincidir" é incidir ao mesmo tempo – duas coisas coincidem ou são coincidentes.
Nesse caso, não há nenhuma relação com a ideia de "conhecer". Esse tipo de desvio pode ter origem numa espécie de acomodação do termo desconhecido ("coincidir" não é de uso coloquial) a uma palavra de sonoridade algo semelhante ("conheci"/ "coinci-").
Há outros casos como esse (dizer "figo" em vez de "fígado", trocar o "fuzil" em vez de trocar o "fusível", "destrinchar o frango" em vez de "trinchá-lo" etc.). Isso sem entrar no campo dos parônimos, que são aqueles termos parecidos, mas de significados diferentes (fragrante/ flagrante, eminente/iminente, vultoso/ vultuoso etc.),  e sem levar em conta os que confundem "luxúria" com "luxo" ou "vultuoso" com "voluptuoso" etc. O fato é que o "erro" do outro é aquele que "dói nos ouvidos"…
Houve quem se queixasse da forma "vinhesse" ("que vinhessem em paz"). Esse também é um desvio do padrão culto, mas típico de uma das variantes da nossa língua (quem nunca ouviu essa forma?). Por tratar-se de uma variante não prestigiada, provocou incômodo em algumas pessoas. Para além do certo e do errado (definitivamente discutível quando se trata de língua), essa mistura de variantes linguísticas e também as "queixas" dos internautas têm algo a revelar: as manifestações realmente agruparam pessoas de diferentes estratos sociais, o que é relevante para quem se dispuser a analisar com profundidade o movimento. 




http://thaisnicoleti.blogfolha.uol.com.br/2013/06/18/os-protestos-e-a-lingua-portuguesa/
POR THAÍS NICOLETI
 
Postar um comentário